Slide 01
Saúde é vida
Lugar de dente é na boca, podemos salvar o seu dente!
Devo optar pelo implante?
Slide 02
Saúde é vida
Por que escolher o Grupo Oris?
Saúde em primeiro lugar

Notícias

Umami: Descubra o Quinto Sabor

umami

É verdade, o nosso paladar não reconhece apenas quatro sabores básicos: doce, salgado, amargo e azedo. No início do século XX, o professor e cientista japonês Kikunae Ikeda identificou o umami pela primeira vez. Ao saborear alguns alimentos, como  aspargos, tomates, queijos e carnes, percebeu haver um gosto comum entre eles, porém diferente dos outros quatro gostos conhecidos. Ele chamou este gosto de umami, que em japonês significa “delicioso” ou “saboroso”.

Oficialmente, o umami é reconhecido desde 2000, mas muita gente ainda não sabe de sua existência. Uma boa forma de tentar reconhecer este sabor é com um tomate. Pegue um bem maduro, e saboreie puro, calmamente. Após os gostos doce e azedo, você poderá sentir o umami. Para treinar o seu paladar e melhorar a identificação do sabor, experimente diversos alimentos umami com a intenção de identificar o gosto em comum entre eles.

A grande vantagem sobre este sabor é que ele é responsável por intensificar os outros sabores. Assim, uma refeição com alimentos umami tende a ser mais saborosa. Por isso ele é um grande aliado de uma dieta saudável. Muita gente acha sem graça o sabor das saladas e dos alimentos mais naturais e menos condimentados, agora que estamos tão habituados a comida industrializada ou fast food. Isso pode ser um grande empecilho para aqueles que desejam um estilo de vida mais saudável. Mas o umami pode te ajudar a treinar o seu paladar, e gostar realmente das refeições mais leves, em vez de comê-las por obrigação, o que muitas vezes resulta no insucesso da dieta.

Outra vantagem dos alimentos umami e sua capacidade de realçar os sabores, é que ele ajuda a abrir o apetite de pessoas hospitalizadas ou sob medicação. Isso ajuda a pessoa a se alimentar melhor, acelerando a recuperação. Se você está cuidando de alguém doente, tente incrementar a dieta com diversos alimentos umami. Não é nada exótico, que o paciente vá rejeitar, e pode ajudar o paciente a comer melhor, potencializando a recuperação de sua saúde.

Descubra o umami, e boas degustações!

 

A Febre do Clareamento Dental: Riscos e Cuidados a Serem Tomados

clareamento

O padrão de beleza do Brasileiro é bem elevado e específico. Somos conhecidos por ter excelentes dentistas e por nos preocupar muito não só com a saúde, mas também com a estética bucal. Dentes bem alinhados e branquinhos são o sonho de muitas pessoas, principalmente porque a maior parte dos famosos tem um “sorriso perfeito”!

Acontece que não basta simplesmente entrar no consultório do dentista e pedir um clareamento dental. Todas as técnicas apresentam alguns riscos e exigem certas condições de saúde para serem empregadas com segurança. As técnicas mais comuns são: em consultório com Laser ou LED; caseiro com moldeira e géis prescritos pelo dentista; ou uma associação das duas técnicas.
Um dos problemas mais comuns em clareamentos é a sensibilidade dental, que pode ocorrer durante o processo de clareamento e em alguns casos permanecer depois. De acordo com o Brazilian Dental Journal, cerca de 70% dos pacientes submetidos a clareamentos dentais apresentam sensibilidade durante e após o tratamento.

Em algumas situações, o clareamento é totalmente contra-indicado, por exemplo: quando há inflamação ou retrações gengivais; presença de cálculo dental; dentes não totalmente erupcionados, além da cárie dental.
As técnicas caseiras, tanto aquelas ensinadas pela vovó, como as que utilizam produtos específicos para clarear os dentes vendidos em farmácia, não devem ser utilizadas de forma alguma. Todas elas têm o potencial de desgatar o esmalte do dente, e também provocam a sensibilidade, entre outros problemas. Pessoas que apresentam baixa produção de saliva também vão ter mais dificuldade para se recuperar de procedimentos mal sucedidos, pois a saliva promove a remineralização dental. Tentar clarear sem a orientação de um profissional capacitado por si só já é um grande rico para a saúde da boca.

Se você quer ter um sorriso mais branquinho consulte primeiro seu periodontista para garantir uma gengiva saudável e dentes sem cálculo ou sangramento.

Bonito mesmo é ter saúde!

 

Depoimento de Paciente- Já me tratei, mas acho que ainda tenho mau hálito!

feliz-fruta-maca-papel-triste-verde-Favim.com-78641

A halitose pode ter diversas causas, sendo que sua origem pode ser resultado de condições sistêmicas ou bucais (90% dos casos). Mas o que muita gente não imagina é que existe a halitose psicossomática, que ocorre quando o paciente tem o olfato alterado e passa a acreditar, equivocadamente, que possui mau hálito. Ou seja, possui sensação de mau hálito. O mau hálito pode provocar isolamento social e interferir seriamente na relação com o cônjuge. Isso ocorre por que quem rodeia a pessoa afetada pode se afastar, e a própria pessoa, se souber da condição, tende a se isolar. No entanto, quando o indivíduo não tem halitose, mas acredita ter, as mesmas consequências sociais podem se manifestar. O indivíduo pode ficar com a sensação de que as pessoas o evitam, mesmo que isso não aconteça, e ele pode começar a reduzir o convívio social. Isso implica em perda de autoestima e qualidade de vida. Veja o exemplo de um caso ocorrido em nosso consultório, em que uma paciente se tratou e ficou livre da halitose, mas, mesmo assim, acreditava ter mau hálito.

12 .02 . 2014

Boa tarde, Dra. Celi!

Conforme conversado hoje pela manhã, segue abaixo o exame que fiz em 2009 para a senhora analisar!!

Mais uma vez, meu muito obrigada!!! Adorei conhecê-la!

Grande beijo

Maria

———————————————————–

Prezada Sra Maria,

Seguem abaixo os valores obtidos nos exames realizados no dia 14/01/2009.

VALORES REFERENCIAIS

ESTIMULADA:

< ou = 0,3 ml/min: assialia

0,4 a 0,6 ml/min: hipossalivação severa

0,7 a 0,9 ml/min: hipossalivação moderada

1,0 a 1,4 ml/min: hipossalivação leve

1,5 a 2,5 ml/min: ideal

acima de 2,5 ml/min: sialorréia

REPOUSO:

0,0= ASSIALIA

0,1 a 0,25=hipossialia

0,3 a 0,4=ideal

 sialo1

 

HALITOM

ORGANOLÉPTICO: 0 – ausência | 1 – odor natural | 2 – h. da intimidade | 3 – h. do interlocutor | 4 – h. social 

———————————————————–

12 . 02 . 2014

Querida Maria,

de fato dos seus resultados de exames chama-me a atenção:

1. Você já apresentava déficit de produção salivar na época, o que já favorecia ao desconforto bucal e gosto ruim.

2. O resultado do Halimeter Nasal de 48 e 74, pois ambos estavam bem acima do normal, pois halimeter nasal em média, fica entre 10 a 25, no máximo, o que me leva a crer que de fato as sua amigdalas caseosas, cheia de cáseo, é que formavam os compostos sulfurados voláteis e com isso gerava um discreta alteração do seu hálito (organoléptico=2) e uma concentração mais acentuada dos mesmos nas suas narinas.

Típico da presença de cáseos…

Com a retirada de suas amigdalas, hoje só nos resta cuidar das questões salivares para lhe promover mais conforto, mas o seu hálito está prefeitamente normal, diria até que adocicado.

Lembre-se de tudo que conversamos hoje e continue firme na decisão de ser feliz!

Somos o maior responsável pela nossa felicidade.

Você não tem mau hálito, tenha certeza disso!!

Beba água e mastigue bastante!!

Boa Sorte e até mais!

Celi

13 . 05 . 2014

Boa tarde, Dra. Celi!

Depois da nossa conversa me senti super segura, sem me preocupar com o meu hálito! Mas de um tempinho pra cá comecei a me preocupar novamente! Tenho a sensação de que as pessoas mexem no nariz e se afastam porque tenho mau hálito! Meu sobrinho um dia desses veio falar que tenho cheiro de bafo de onça! Aí perguntei se era verdade e ele disse que estava brincando! Mas será que estava mesmo??? Estou confusa novamente! Não sei que faço!

Desculpe pelo desabafo novamente! Não tenho com quem conversar sobre isso!

Me ajuda, por favor!

Abraços 

  Este caso representa bem o que muitas pessoas passam. É importante buscar ajuda, ouvir o que uma pessoa de sua confiança tem a dizer sobre seu hálito, e se for o caso, se tratar! Não tenha vergonha!

*O nome do paciente foi alterado para preservar sua privacidade.

Gengivite na gravidez

gengivite na gravidez

Devido às alterações hormonais deste período, é bastante comum que mulheres grávidas apresentem sangramento e outros sintomas de gengivite, apesar da gravidez não ser a causadora da doença. A gengivite geralmente ocorre no segundo mês de gestação, propiciada pelo aumento das taxas dos hormônios.

Além disso, as modificações na dieta também podem estimular o aparecimento de cárie e outras infecções bucais. Por isso, manter a saúde da boca sob controle é fundamental para garantir gravidez e parto tranquilos.

Utilize o fio dental cuidadosamente, mesmo se houver algum pequeno sangramento, e não deixe de escovar os dentes ao menos três vezes ao dia, usando pouquinho creme dental –isso evita enjoos. Os dentes tendem a ficar mais sensíveis neste período, e para combater este desconforto, caprichar na higiene é essencial.

Pacientes que apresentam inflamações bucais possuem maiores chances de ter um parto prematuro. Isso fortalece a necessidade de visitar o periodontista e informá-lo sobre a gestação, a fim de manter saúde para você e seu bêbe.

Periodontia Conservadora

Examining mouth

A periodontia conservadora diz respeito a uma série de procedimentos que visam à prevenção e ao tratamento apenas quando necessário com procedimentos minimamente invasivos. Para garantir saúde integral e duradoura ao paciente atuamos respeitando as seguintes faces:

A primeira fase é a de prevenção. Nesse momento, faz-se a orientação do paciente quanto à maneira correta de realizar a limpeza bucal, respeitando as necessidades individuais. A remoção da placa bacteriana e de tártaro é efetuada.

Um retorno é marcado para definir o período para manutenção do tratamento e avaliar necessidade de pequenas cirurgias, principalmente para os pacientes com doença periodontal avançada.

Com o paciente já tratado e orientado recomendam-se as visitas periódicas ao consultório, no prazo definido anteriormente, para nova atuação de prevenção. Assim, a saúde bucal pode ser garantida.

A pergunta que não quer se calar: Por que ainda não virou lei?

Dentista

Em tempos tão angustiantes onde a política brasileira só divulga fatos aviltantes, o ocorrido na manhã de ontem no Plenário 7 da Câmara Federal passa a ser um verdadeiro bálsamo para as nossas mentes cansadas em ver e ouvir barbáries parlamentais.

Após quatro anos de luta o Projeto de Lei 2.776 do Deputado Neilton Mulin , com a relatoria brilhante da Deputada Érica Kokai, foi aprovado por unanimidade, com votos verbalmente explicitados, pela grande maioria dos deputados presentes, na hora de  votar sobre a presença do Cirurgião Dentista no ambiente hospitalar.

Relatos pessoais comoventes e palavras embasadas no conhecimento científico de vários deputados-médicos presentes, nos fez acreditar que muitos ainda estão nos representando e exercendo o seu poder através de um trabalho digno de confiança e respeito.

Não pelo fato de aprovarem este Projeto de Lei, que por si só mostra o seu peso e sua importância, mas principalmente pelo fato de que todos naqueles 5 minutos de fala mostraram um parecer de “gente como a gente” e em nenhum momento se utilizaram da empáfia comumente encontrada na fala dos nossos representantes políticos.

Penso que é o momento da sociedade divulgar o seu parecer, não de delator, mas sim de relator de idéias que possam realmente mudar para melhor o nosso país. Relatos que devem ser levados através de sugestão de Projetos que visam o bem comum de nossa população.

Pois acreditem, nas Câmaras e no Senado temos sim profissionais que lideram o nosso país que merecem ouvir os nossos sonhos de um Brasil melhor, pois são eles que podem fazer destes sonhos realidade e cabe a nós levarmos até eles o que a sociedade precisa.

Parabéns para cada profissional da Odontologia que se dedicou a este Projeto e a cada profissional da Câmara Federal que se envolveu, acreditou e lutou para mais um passo nesta conquista.

Jornalista: André Camargo

O Grupo Oris é membro da:

Parceiros